Policia
08/11/2021 17:28

O secretário de Turismo e Cultura de Canela, Ângelo Sanches, se manifestou sobre a ação policial desencadeada nesta segunda-feira, dia 08, no município,  que resultou no seu afastamento cautelar das funções públicas e ainda na prisão do Presidente da Câmara de Vereadores, Alberi Dias, o Secretário Municipal de Obras, Luís Cláudio da Silva (Ratinho) e o Interventor do Hospital de Caridade de Canela, Vilmar Santos. Também foram afastados dos cargos o Secretário-Adjunto de Obras, Osmar Bonetto, e o servidor da mesma Pasta, Dênis Roberto de Souza.

“Apesar de surpreso, estou tranquilo em relação aos fatos. Desde o início me coloquei à disposição das autoridades para informar e contribuir com aquilo que for necessário. Tenho certeza de que tudo isso, o quanto antes, será resolvido e esclarecido da melhor forma possível para que possamos voltar aos trabalhos e continuar fazendo a cidade de Canela pujante no turismo”, afirmou Ângelo Sanches.

A Polícia Civil, sob o comando do Delegado Vladimir Medeiros, deflagrou operação para cumprir 176 medidas judiciais. Ao todo, 175 policiais civis participaram da ação policial, que tem por objetivo combater organização criminosa estabelecida em parte do poder público de Canela para o desvio de verbas públicas, fraudes em contratos e enriquecimento ilícito de agentes políticos e servidores da Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores.

As ações policiais aconteceram nas cidades de Canela, Gramado, Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo e Bom Princípio, além de Balneário Camboriú e Itajaí, no litoral catarinense.

Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão expedidos pelo Poder Judiciário a pedido da Polícia Civil em órgãos públicos de Canela, residência de agentes políticos e servidores públicos (CCs) e empresas investigadas por integrarem organização criminosa estabelecida com o objetivo de desvio de dinheiro público, fraudes em contratos e enriquecimento ilícito. 

A Polícia Civil investiga o secretário de Turismo de Canela por suposto favorecimento de parente em contrato de concessão de quiosque no parque Skyglass. A autoridade policial apura se houve algum tipo de contrapartida do parque para receber a licença de exploração em troca da concessão de quiosques.