Principal vendedor de lotes irregulares foi preso nesta segunda-feira

Policia
04/06/2019 17:44

A Polícia Civil de Canela desencadeia, nesta semana, a segunda fase da Operação Invasões, com a intenção de combater a venda irregular de terrenos no Município, em diversos bairros, como Saiqui, Santa Marta, Dante, São Luiz e Distrito Industrial.

Em inquérito policial que investiga o parcelamento irregular do solo urbano, contratos falsos, estelionato e outros crimes desde novembro do ano passado, a Polícia Civil monitorou áreas de invasão e responsáveis pelas vendas irregulares de lotes, terrenos e áreas.

A Polícia Civil de Canela, após inquérito policial, reuniu mais de dez ocorrências policiais contra um investigado, identificado como o principal vendedor de terrenos de forma irregular e criminosa em Canela, colhendo declarações, documentos e provas técnicas suficientes para que o Delegado Vladimir Medeiros, responsável pelas investigações, tivesse representado pela decretação de sua prisão preventiva, sem prazo para cumprimento.

Ele foi detido nesta segunda-feira (3) pela Brigada Militar, tendo em vista que estava na condição de foragido em razão do deferimento do pedido de prisão pela Polícia Civil.

O delegado Vladimir Medeiros, titular da Delegacia de Polícia de Canela, informou que se trata da segunda fase da Operação Invasões, realizada inicialmente na cidade em abril de 2017, quando quatro investigados haviam sido presos no curso das investigações.

A autoridade policial informa que a prática criminosa envolve a venda de terrenos que jamais serão regularizados pelos compradores, que acabam no prejuízo, inclusive precisando derrubar as casas que constroem, pois se tratam de áreas públicas, que não podem ser vendidas, ou localizadas em área de preservação permanente, que não permitem construções, seja de madeira ou alvenaria.

Medeiros informou, ainda, que dividir um terreno em lotes menores, sem a devida autorização, é crime, referindo que geralmente ocorrem, ainda, crimes ambientais por retirada de vegetação sem autorização devida.

A investigação, em fase de conclusão, é feita pelo Cartório de Combate à Corrupção, aos Crimes Contra a Administração Pública e à Lavagem de Dinheiro da Delegacia de Polícia de Canela. "Estamos apurando a participação de outros investigados na venda irregular de terrenos na cidade", esclareceu Vladimir Medeiros.