Enquanto isso, ensino continuará sendo remoto a partir de 22 de fevereiro

Geral
18/02/2021 12:06

Previsto para iniciar na próxima segunda-feira (22), o ano letivo da rede municipal terá que ser adiado. Diante do número elevado de novos casos de coronavírus (Covid-19) e a alta taxa de ocupação do Hospital Arcanjo São Miguel, a Prefeitura de Gramado, por meio do Centro de Operações Emergenciais (COE) e da Secretaria de Educação, divulgou um novo decreto suspendendo, temporariamente, o início do ensino presencial.

Segundo a secretária da Educação Simone Tomazelli Andreis, havendo redução no número de contaminados, o retorno presencial das aulas pode ser retomado em 1º de março. “Havendo condições favoráveis, o retorno pode acontecer, gradualmente, a partir do início de março, seguindo os mesmos critérios definidos anteriormente. Vamos aguardar e analisar uma situação Covid-19 da próxima semana e tomar a decisão mais acertada", disse a secretária.

Segundo ela, uma equipe pedagógica da Secretaria e das escolas planejarão a retomada do ensino remoto diante da impossibilidade do retorno presencial neste momento. "Estamos alinhando para iniciar, no dia 22 de fevereiro com planejamento remoto. A partir de segunda-feira os professores trabalharão no sentido do acolhimento e resgate dos alunos. Propiciando um primeiro contato mesmo à distância. Após, partiremos para um planejamento coletivo, como já ocorria no ano passado, com material impresso para os alunos ”, explica a titular da pasta.

Antes da divulgação do decreto e do aumento no número de casos da doença, a Secretaria da Educação já havia preparado como instituições de ensino para o retorno gradativo dos estudantes. “As escolas estão preparadas com equipamentos de proteção individual (EPIs), com um cronograma de sanitização dos espaços, as escolas já estavam organizadas em relação a logística do fluxo de alunos, estava tudo correndo muito bem”, lamenta a secretária.

A secretária enfatiza a importância da conscientização de todos na segurança dos estudantes e de suas famílias. “Sabemos da necessidade de retorno, mas esse retorno precisa ser seguro e neste momento não temos essa garantia, visto o avanço sem número de casos dos últimos dias.

As palavras do momento são paciência e cuidado. Temos que ir com calma, muito cuidado, para evitar erros, como consequências podem ser trágicas. Neste momento o que prevalece é a vida ”, disse Simone.