Geral
26/03/2020 18:17

Um grupo de 144 empresários de Gramado assinou um manifesto, que foi entregue hoje, dia 26, ao secretário de Indústria e Comércio, Anderson Boeira, que está à frente do Gabinete de Crise criado pela Prefeitura. O manifesto pede a suspensão do decreto 73/2020, que suspendeu as atividades econômicas no município.

O documento foi entregue por três representantes do grupo, Wendel Cardoso, Jacson Clei Galgaro e Dr. Paulo Cauduro, visando o mínimo de pessoas reunidas, evitando aglomeração. Abaixo o manifesto na íntegra:

“Os empresários e administradores desta cidade, em livre associação, emitem agora um manifesto visando uma proposta de solução para a grave crise que se avizinha. Esta aliança, mui respeitosamente, pede vosso acolhimento para a presente missiva que segue subscrita por seus membros.

Alertamos para o risco iminente de completa asfixia e posterior colapso das atividades econômicas de nossa cidade. 

A abruta ruptura de nossa atividade econômica já contabiliza perdas irreparáveis. A onda de desempregos já começou e seu avanço é imediato. Cabe salientar que a maior parte de nosso povo não possui reservas financeiras para sustentar esse shutdown, visto que todos temos compromissos financeiros urgentes e inegociáveis, inclusive com o Poder Público.  

Nossa rede hoteleira, gastronômica e de serviços, que muito padeceu pela queda do ticket médio durante o último Natal Luz, não conseguiu capitalizar grandes reservas financeiras como outrora já foi possível. Deste modo torna-se impossível a manutenção de empregos, restando como alternativa as demissões em massa e o empobrecimento de nossa gente.  

Nossos autônomos e microempresários não possuem outra fonte de renda senão aquela advinda do fruto diário de seus labores. Estes, por seu turno, estão aterrorizados e já há notícia de suicídio, tamanho o pavor que foi gerado em nossa população.  

Nossas farmácias e supermercados já estão em processo de desabastecimento. O que há nas prateleiras já tiveram seus preços majorados, tornando-os ainda mais inacessíveis para os mais pobres e aqueles não possuem reservas. A fome e o pânico que essa situação está gerando será ainda mais grave do que danos causados por este vírus. 

Para o combate do vírus já restou provado que a melhor alternativa é uma abordagem cirúrgica, com o isolamento vertical daqueles pertencentes aos grupos de risco e, de imediato, retomarmos nossa atividade econômica. 

DIANTE DO EXPOSTO, E SEM TERGIVERSAÇÃO ALGUMA, SOLICITAMOS A PRONTA REVOGAÇÃO DO DECRETO Nº 73/2020, em todo ou em parte, considerando a não realização de eventos que acarretem em aglomeração de pessoas. 

Precisamos sair desta crise com sensatez e responsabilidade, e este grupo, assumindo seu dever como gramadenses e empresários, pede a Vossa Senhoria o atendimento ao pedido acima, que encontra ressonância junto de nosso povo trabalhador. Por óbvio que nos comprometemos a assumir todas as medidas sanitárias exigidas para o momento e que para nós nunca foram estranhas. 

Gramado sempre foi a locomotiva da região e exemplo para o Brasil. A decisão de Vossa Senhoria em revogar o expediente que ceifou nossa atividade econômica tende a gerar um efeito dominó em outros municípios e permitir com que todos saíamos com a maior brevidade desta crise”, finaliza o manifesto.